ESTUDOS FEITOS RECENTEMENTE COM O VINHO MOSTRAM OS SEUS BENEFÍCIOS



Sabe de onde veio o brinde “à sua saúde”? Da antiga Grécia, quando era habitual o anfitrião ser o primeiro a provar o vinho para assegurar aos convidados que este não estava envenenado.

Mas mesmo sem venenos, o brinde continua atual, já que não há dia em que não apareça um novo estudo a demonstrar os benefícios desta bebida tão nobre. Há uma pequena percentagem de pessoas que tem medo de vinho – chama-se enofobia – mas mostramos-lhe que não há mesmo razões para tal.

Já todos ouvimos dizer que um copo de vinho por dia não faz mal a ninguém, que até faz bem à saúde. Será verdade? Descubra o que dizem os mais recentes estudos sobre os benefícios do vinho.

Benefícios do vinho ao longo da História
As suas origens são imemoriais. O Antigo Testamento diz que é Noé o primeiro a plantar uma vinha, mas de certo sabemos apenas que o vinho terá surgido depois dos homens se tornarem sedentários e que os vestígios mais antigos datam de cinco a seis mil anos a.C. Pode ter acontecido por acaso: um punhado de uvas amassadas deixadas a um canto e o processo de fermentação a ocorrer naturalmente…

Sabemos ainda que o vinho era sagrado desde cedo: os egípcios davam-no em oferenda aos deuses e era usado em celebrações pelos gregos e romanos, que o associaram ao deus Dionísio e Baco, respectivamente. Hipócrates, o pai da medicina ocidental, era um grande defensor do vinho, que usava para desinfetar feridas, aliviar as dores de parto das mulheres, tratar a diarreia e a astenia. Já o apóstolo Paulo, na carta a Timóteo, menciona o consumo ocasional e moderado de vinho para ajudar a digestão.

• Sabia que? Nos tempos antigos beber vinho era mais seguro do que beber água, uma vez que não havia tratamento de águas e estas eram frequentes fonte de infecções?

• Sabia que para consumir a mesma quantidade de resveratrol presente num copo grande de vinho tinto precisaria comer 1 kg de uvas pretas?

Benefícios do vinho à luz da ciência moderna

Foi preciso esperar até ao século XX para dissecar as entranhas do vinho com espírito científico. Em 1940 foi isolado pela primeira vez o resveratrol, um fitoquímico produzido pelas plantas para combater fungos e bactérias, e que faz do vinho (e de outros alimentos como uvas, amendoins e mirtilos) um alimento com propriedades medicinais.

Não parou de ser estudado desde então, descobrindo-se que, além do resveratrol, o vinho tem outros componentes que fazem bem à saúde, como os taninos, as procianidinas e o ácido gálico.

Os suplementos não mostram ter a mesma eficácia do que os alimentos naturais, pelo que o ideal é fazer do consumo de alimentos benéficos, como vegetais, frutas e vinho em doses moderadas, uma parte do estilo de vida.

Estes são alguns dos benefícios do vinho (em doses moderadas) mencionados em estudos recentes:

• Tem potencial quimiopreventivo em vários tipos de câncer, graças à ação do resveratrol.

•  Aumenta o “bom” colesterol (HDL) e baixa o “mau” (LDL).

•  Tem efeitos anti-inflamatórios.

•  Tem propriedades antioxidantes e anti-envelhecimento.

•  Previne a demência. Um estudo publicado no The Journal of Neuropsychiatric Disease and Treatment concluiu que os consumidores moderados de vinho tinto tinham menos 23% de risco de ter demência.

•  É bom para a pele. Estudos mostram que consumir resveratrol pode ajudar a inibir o crescimento das bactérias do acne e outro mostrou que os flavonoides do vinho ajudam a proteger a pele dos danos do sol.

•  Contribui para a saúde cardiovascular, graças às procianidinas.

•  Ajuda a viver mais tempo, sugerem investigadores de Harvard.

•  Ajuda a reduzir em 30% o risco de diabetes tipo 2.

•  Pode ajudar a prevenir constipações.

•  Pode ajudar a reduzir a depressão.

A dose certa

Afinal o vinho faz bem à saúde ou não? Vários estudos indicam que sim, que é benéfico. Faz parte, inclusive, da nossa Dieta Mediterrânea. No entanto, este é um dos casos em que mais não é melhor. O vinho deve ser consumido de forma moderada. Os efeitos benéficos do vinho serão maiores consumindo doses pequenas. E o que é uma dose moderada? Um copo de vinho por dia para as mulheres e dois para os homens.

Quem conhece vinhos sabe que cada um tem a sua personalidade, aroma e particularidades. É isso que faz com que determinados vinhos fiquem melhor com determinados pratos e com que alguns sejam mais indicados para uma ou outra ocasião. No entanto, há muitos mitos que se formam e que nem sempre correspondem à realidade.

O vinho tinto não se deve beber fresco
Claro que deve. O vinho tinto deve ser servido entre os 16º e os 18º. No entanto, no verão os 16º parecem mais frescos do que no Inverno. Quem serve o vinho tem de ter a preocupação de manter a temperatura ideal.

O vinho branco é só para o peixe
Não. Apesar de continuar a ser uma crença bastante enraizada, a verdade é que hoje em dia, com a quantidade de vinhos que existem, essa regra não se aplica. Assim, é possível conjugar um branco com carne e um tinto com peixe, mas depende dos vinhos, uma vez que é sempre necessário criar harmonias.

Todos os vinhos devem respirar
Todos os vinhos beneficiam do contato com o ar que faz com o vinho liberte os seus aromas. No entanto, não basta abrir a garrafa meia hora antes de servir. Se o quer fazer de forma correta, tem de decantar o vinho. Se não tiver o decantador, deixe o vinho respirar no copo.

Seja responsável, beba com moderação.

Via: Pingo Doce
Compartilhe no Google Plus

Sobre Odney Sales

Blogueiro, poeta e fundador do site Super Atento, do site de curiosidades Most Curious Curiosity do blog de tutoriais Odney Sales Tutoriais do blog de poesias Poesias de Odney Sales do site de humor Humorada Mente e do meu blog pessoal Blog do Odney Sales. Obrigado por ler os meus artigos. Volte sempre!